IBRAF signs partnership with CPLP
6 de dezembro de 2018
M. Dias Branco executive, Geraldo Luciano joins IBRAF´s Advisory Board
11 de janeiro de 2019

VP do grupo M. Dias Branco, Geraldo Luciano ingressa no Conselho Consultivo do IBRAF

O Vice-Presidente de Investimentos e Controladoria e Diretor de Relações com Investidores do grupo M. Dias Branco, Geraldo Luciano Mattos Junior, é o novo membro do Conselho Consultivo do Instituto Brasil África (IBRAF). O executivo aceitou o convite feito pelo Presidente do IBRAF, Prof. João Bosco Monte, durante reunião na última segunda-feira (7).

Geraldo Luciano

“Eu recebi com muita satisfação o convite que Bosco me fez. Acho que o Instituto cumpre um papel muito importante, de aproximar as economias da América Latina, Brasil sobretudo, com a África. A maior parte do desenvolvimento do mundo no futuro virá daquela região. Acho que é muito importante a gente se aproximar, conhecer a realidade, as culturas e economias dos países da África para tentar encontrar as possiblidades de intercâmbio para as empresas brasileiras”, declara o novo Conselheiro do IBRAF.

Líder no mercado de massas e biscoitos do Brasil, o grupo M. Dias Branco enxerga na África um mercado promissor. “Começamos, há cerca de três anos, a exportar para países africanos. Os números ainda não são expressivos, mas identificamos um potencial muito grande de crescimento. Por isso temos procurado estar próximos e achamos que, junto do IBRAF, é mais uma forma de identificar melhor as oportunidades de negócio”, afirma Geraldo Luciano. Atualmente, em relação ao mercado mundial, a empresa é a sexta maior na categoria de massas e a sétima maior na categoria de biscoitos.

O Presidente do IBRAF explica que este é o momento em que os olhares do mundo estão voltados para a África. “A agenda do setor privado internacional é significativa dentro do continente africano. Turquia, China, Europa, todos investem e o Brasil não pode ficar de fora. São 54 países com necessidades de investimento em todas as áreas, de infraestrutura. Não olhar para a África é ir na contramão do desenvolvimento”, analisa Prof. João Bosco Monte.